Reúso de água de ar-condicionado vira lei em Pernambuco

Reutilizar a água que pinga de ar-condicionado instalado em estabelecimentos privados de grande porte como shoppings centers, hospitais e bancos agora é lei em Pernambuco. O texto obriga novos empreendimentos particulares a reaproveitarem a água descartada pelos equipamentos, sem que sejam cobradas taxas ou tarifas pelo reúso por parte da concessionária de água e esgoto. O projeto foi apresentado pelo deputado Isaltino Nascimento (PSB), aprovado na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) e sancionado pelo governador Paulo Câmara.

A água condensada pelo sistema de ar-condicionado em edificações privadas acessíveis ao público deverá ser captada e encaminhada para cisternas, caixas d´águas ou reservatórios apropriados. Essa água coletada poderá ser armazenada nos mesmos recipientes que armazenam a água da chuva, por exemplo, segundo a Lei nº 16.584/19. Além disso, pode ser utilizada em atividades que não necessitem de água potável, como bacias sanitárias de volume reduzido de descarga, chuveiros, lavatórios, torneiras com arejadores e registros controladores de vazão.

O professor de refrigeração e ar-condicionado do IFPE Luiz Lavor explica que a água que sai dos equipamentos é oriunda do ar do ambiente onde o ar-condicionado está instalado e também do suor das pessoas presentes. "O ar-condicionado é um desumidificador. Ou seja, retira água do ambiente. O que é jogado fora é do ar e do suor das pessoas. É água mesmo e está muito cara", detalhou